beijin
Casa /Notícia /

Crise da Água - As pessoas não têm água potável e saneamento

Crise da Água - As pessoas não têm água potável e saneamento

2019-01-08
Com o atual estado de coisas, medidas corretivas ainda podem ser tomadas para evitar que a crise se agrave. Há uma crescente conscientização de que nossos recursos de água doce são limitados e precisam ser protegidos em termos de quantidade e qualidade. Esse desafio da água afeta não apenas a comunidade da água, mas também os tomadores de decisão e todo ser humano. "A água é assunto de todos" foi uma das principais mensagens do 2º Fórum Mundial da Água.


Economizando recursos hídricos

Qualquer que seja o uso de água doce (agricultura, indústria, uso doméstico), é possível obter uma enorme economia de água e melhorar a gestão da água. Em quase toda parte, a água é desperdiçada e, enquanto as pessoas não estão enfrentando escassez de água, elas acreditam que o acesso à água é uma coisa óbvia e natural. Com a urbanização e mudanças no estilo de vida, o consumo de água deve aumentar. No entanto, mudanças nos hábitos alimentares, por exemplo, podem reduzir o problema, sabendo que o cultivo de 1 kg de batatas requer apenas 100 litros de água, enquanto 1 kg de carne bovina requer 13 000 litros.


Melhorando o abastecimento de água potável

A água deve ser reconhecida como uma grande prioridade. Um dos principais objetivos do Conselho Mundial da Água é aumentar a conscientização sobre a questão da água. Tomadores de decisão em todos os níveis devem estar implicados. Um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio é reduzir pela metade, até 2015, a proporção de pessoas sem acesso sustentável à água potável e ao saneamento. Para tanto, várias medidas devem ser tomadas:

garantir o direito à água;
descentralizar a responsabilidade pela água;
desenvolver o know-how no nível local;
aumentar e melhorar o financiamento;
avaliar e monitorar os recursos hídricos.

Melhorar a cooperação transfronteiriça

No que diz respeito aos conflitos transfronteiriços, o desenvolvimento econômico regional e a preservação cultural podem ser fortalecidos pelos Estados que cooperam com a água. Em vez de uma tendência para a guerra, a gestão da água pode ser vista como uma tendência para a cooperação e a paz. Muitas iniciativas são lançadas para evitar crises. Compromissos institucionais como no rio Senegal são criados. Em 2001, a Unesco e a Grenn Cross International uniram forças em resposta à crescente ameaça de conflitos ligados à água. Eles lançaram o programa conjunto De Potenciais Conflitos para o Potencial de Cooperação para promover a paz no uso de cursos de água transfronteiriços, abordando conflitos e fomentando a cooperação entre estados e partes interessadas.


Recursos hídricos estão se tornando escassos

Crise Agrícola
Embora a segurança alimentar tenha aumentado significativamente nos últimos trinta anos, as captações de água para irrigação representam 66% do total de retiradas e até 90% em regiões áridas, sendo os outros 34% usados ​​por famílias domésticas (10%), indústria (20 %), ou evaporado de reservatórios (4%). (Fonte: Shiklomanov, 1999)
À medida que o uso per capita aumenta devido a mudanças no estilo de vida e à medida que a população aumenta, a proporção de água para uso humano está aumentando. Isso, juntamente com as variações espaciais e temporais na disponibilidade de água, significa que a água para produzir alimentos para consumo humano, processos industriais e todos os outros usos está se tornando escassa.


Crise ambiental

É ainda mais crítico que o aumento do uso de água pelos seres humanos não só reduza a quantidade de água disponível para o desenvolvimento industrial e agrícola, mas tenha um profundo efeito sobre os ecossistemas aquáticos e suas espécies dependentes. Os equilíbrios ambientais são perturbados e não podem mais exercer seu papel regulador.


Um aumento nas tensões

À medida que o recurso está se tornando escasso, as tensões entre diferentes usuários podem se intensificar, tanto em nível nacional quanto internacional. Mais de 260 bacias hidrográficas são compartilhadas por dois ou mais países. Na ausência de instituições e acordos fortes, as mudanças dentro de uma bacia podem levar a tensões transfronteiriças. Quando grandes projetos prosseguem sem colaboração regional, eles podem se tornar um ponto de conflito, aumentando a instabilidade regional. O Paraná La Plata, o Mar de Aral, o Jordão e o Danúbio podem servir de exemplo. Devido à pressão sobre o Mar de Aral, metade de sua superficia desapareceu, representando 2/3 do seu volume. 36 000 km2 de terrenos marinhos são agora recuperados por sal.




O estresse hídrico resulta de um desequilíbrio entre o uso da água e os recursos hídricos. O indicador de estresse hídrico neste mapa mede a proporção de retirada de água em relação ao total de recursos renováveis. É um índice de criticalidade, o que implica que o estresse hídrico depende da variabilidade dos recursos. O estresse hídrico causa deterioração dos recursos de água doce em termos de quantidade (sobre-exploração de aquíferos, rios secos, etc.) e qualidade (eutrofização, poluição de matéria orgânica, intrusão salina, etc.) O valor dessa razão de criticalidade que indica alto estresse hídrico baseia-se no julgamento e experiência de especialistas (Alcamo e outros, 1999). Varia entre 20% para bacias com escoamento altamente variável e 60% para bacias de zonas temperadas. Neste mapa, tomamos um valor global de 40% para indicar um alto estresse hídrico. Vemos que a situação é heterogênea no mundo.


O conceito de estresse hídrico

Já há mais águas residuais geradas e dispersas hoje do que em qualquer outro momento na história do nosso planeta: mais de uma em seis pessoas não tem acesso a água potável, ou seja, 1,1 bilhão de pessoas, e mais de duas em seis não saneamento, nomeadamente 2,6 mil milhões de pessoas (Estimativa para 2002, pelo WHO / UNICEF JMP, 2004). 3900 crianças morrem todos os dias de doenças transmitidas pela água (WHO 2004). É preciso saber que esses números representam apenas pessoas com condições muito precárias. Na realidade, esses números devem ser muito maiores.



Foto de ADMVB bokidiawe@yahoogroupes.fr


Crise de água

Enquanto a população mundial triplicou no século 20, o uso de recursos hídricos renováveis ​​cresceu seis vezes. Nos próximos cinquenta anos, a população mundial aumentará em mais 40 a 50%. Esse crescimento populacional - aliado à industrialização e urbanização - resultará em uma demanda crescente por água e terá sérias conseqüências para o meio ambiente.


As pessoas não têm água potável e saneamento




 
Deixe um recado Obtenha um inquérito gratuito agora
Por favor, me diga os detalhes sobre suas necessidades!